terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Lições aprendidas na Escola do Sofrimento

Por Darryl Dash

Há um ano atrás, eu postei essas palavras:
Não é segredo que os últimos anos têm sido os mais difíceis em nossas vidas. Nesse momento parece que estamos entrando em outra fase especialmente pesada, enfrentando algumas batalhas sérias na área da saúde. É difícil quando não há nenhuma resposta fácil, e quando o sofrimento parece maior do que possamos suportar...
Eu estava em uma sala na noite passada com outros que estavam passando pelo que estamos, e percebi que eu sou um deles. Eu não estou ministrando a eles; eu sou um deles. Eu nunca escolheria isso, mas aqui estou, e não há retorno.

Eu falei em um evento noite passada sobre nossas experiências no ano passado. É um exercício de humildade olhar para trás e refletir sobre o que temos atravessado há um ano. Aqui estão apenas 4 lições que eu aprendi:


1) O sofrimento é real, e é um professor muito bom
Bem, eu sabia disso, mas eu conheci uma nova faceta disso no ano passado. Há algo sobre experimentar um intenso período de sofrimento. Eu não desejaria isso para ninguém, mas eu estou melhor depois disso. Spurgeon falou:
Nós não ganhamos com períodos de tempestade? Será que você não achou que o seu confinamento na cama, sua perda, seu espírito abatido não instruiu você de várias formas que a sua tranquilidade e sua alegria nunca sussurrariam a você? Suponho que nós devíamos aprender o máximo possível tanto na alegria como na dor, e eu espero que muitos dos melhores servos do nosso Senhor consigam isso, mas puxa! Outros de nós não conseguem; e então a aflição é chamada para chicotear a lição para nós.


2) O Cristianismo tem ricos recursos para o sofrimento, mas os cristãos geralmente não
Os Salmos e outros escritos tornaram-se reais para mim de várias formas. Minha vida de oração foi aprofundada mesmo que minhas orações contivessem menos palavras. A consolação de saber que o Senhor Jesus não foi estranho ao sofrimento tornou-se ainda mais preciosa.

Ao mesmo tempo, eu achei que há um estigma para certos tipos de sofrimento na igreja. Nós não estamos sempre confortáveis quando as respostas não são fáceis. Talvez seja em virtude de uma exagerada realização escatológica (a vitória completa é nossa agora!) ou uma falta de experiência, mas eu desejo que nós estejamos melhor equipados para auxiliar aos que estão sofrendo.


3) Há um secreto grupo de sofredores
Comece a falar sobre o seu sofrimento que você encontrará várias pessoas que dirão: 'você também?' I fiquei surpreso com o número daqueles que entendiam o que nós estávamos passando, porque eles também tinham passado por isso.


4) A fraqueza é o caminho
Uma das coisas que nunca esquecerei foi a lembrança da Charlene (esposa) de que a fraqueza não é uma distração do ministério; é geralmente na nossa fraqueza, e não na nossa força, que Deus trabalha mais poderosamente. Deus parece amar usar pessoas fracas. Como J.I. Packer escreve:
Para todos os cristãos, a probabilidade é que à medida que o nosso discipulado continue, Deus nos fará cada vez mais conscientes da nossa fraqueza e dor, então devemos aprender com o apóstolo Paulo que quando estamos conscientes de sermos fracos, então - e somente então - nós poderemos nos tornar realmente fortes no Senhor. E deveríamos nós querer isso de outra forma? (A fraqueza é o caminho).

Em algum nível, o sofrimento continue, como também as lições, apesar de estarem em um estágio totalmente diferente. Eu oro que eu nunca esqueça das lições que eu tenho aprendido na escola do sofrimento.


Fonte: Lessons learned in the school of suffering


terça-feira, 7 de janeiro de 2014


Print or Generate PDF

0 comentários:

Postar um comentário

Comentário









Certidão Criminal Negativa
Dicionário Bab.La